Nursery Play

Nursery Play

Reading Lesson

Reading Lesson

Newborn

Newborn

Physiotherapy

Physiotherapy

idoso.jpg

idoso.jpg

RESPIRAÇÃO ORAL/BUCAL

 

 

Respirar pelo nariz é uma função herdada desde o nascimento, através dela o ar que inspiramos é filtrado, purificado e umedecido antes de ser direcionado aos nossos pulmões; para que isso ocorra é necessária que haja integridade anatômica e funcional das vias envolvidas.

 

O QUE É A RESPIRAÇÃO ORAL?

 

A respiração é oral um desvio adquirido, que pode se desenvolver a partir de várias causas que dependem da faixa etária, entre elas: obstrução nasal, por presença de adenóides e/ou amígdalas hipertróficas, ou ainda desvio de septo, hipertrofia de cornetos, sinusite, ou ainda, alergias respiratórias. Não é necessário que a boca esteja totalmente aberta para apresentar sinal de respiração oral; existem casos em que o não vedamento labial, ou seja, não se conseguir manter os lábios fechados, mostrando levemente os dentes “da frente”, como já sendo um sinal de alerta.

Indivíduos que respiram mal, poderão a longo prazo, desenvolver alterações crânio-faciais, olheiras profundas, olhos caídos, alterações na oclusão dentária, palato ogival, perda de força e tônus de lábios e língua, alterações no sono, ronco, boca seca, maior tendência a desenvolver cáries, postura inadequada de língua, causando alterações de fala, postura e de marcha. Bem como alterações comportamentais, entre elas, o mau humor, agitação, falta de concentração e impulsividade. Alterações essas que podem interferir no rendimento escolar, desempenho profissional, relacionamentos sociais e afetivos.

 

HÁ PREVENÇÃO?

 

O aleitamento materno é um dos principais meios de prevenção dessa síndrome, pois contribui para o desenvolvimento adequado das estruturas orofaciais e uma melhora sistêmica da saúde. Além disso práticas de alimentação corretas e controle de características prejudiciais no ambiente onde se dorme e retirada de hábitos orais nocivos podem ser benéficas.

 

E TEM TRATAMENTO?

 

Sim! Como a permanência desse quadro pode interferir em todo o equilíbrio das funções estomatognáticas, como a mastigação, deglutição, respiração e fonação e gerar graves alterações morfofuncionais, fica evidenciada a necessidade da avaliação e orientação com um fonoaudiólogo, sendo muitas vezes necessário uma intervenção multidisciplinar com ortodontistas e otorrinolaringologistas, favorecendo o sucesso do tratamento e a redução de sequelas.

 

Texto escrito pelo fonoaudiólogo Luiz Philipe Dias da equipe FONOCOM.

​Rua Aurélio de Figueiredo 330, salas 308 e 309, Campo Grande, RJ.

FONOAUDIOLOGIA - PSICOPEDAGOGIA - PSICOLOGIA 

TERAPIA OCUPACIONAL - PSICOMOTRICIDADE - MUSICOTERAPIA

NEUROPSICOLOGIA - ORIENTAÇÃO PARENTAL

(21) 996494013 (whats app)

(21) 3024-9818 

Priorize o contato via whats app.