ENTREVISTA COM

LARISSA COELHO, PSICÓLOGA

  

Para conhecer um pouquinho mais o trabalho de Larissa Coelho,

psicóloga da nossa equipe, realizamos uma entrevista completa

com a profissional!

P: Larissa, fala um pouquinho da sua formação e linha de atuação.

R: Iniciei meus estudos em psicologia na universidade católica de Petrópolis, me transferi no terceiro período para o centro universitário Celso Lisboa, onde me formei em 2015. Realizei estágio na área de recursos humanos, mas foi no estágio como mediadora escolar de um adolescente diagnóstico com Transtorno do Espectro Autista (TEA) que me encontrei. Por isso, atualmente curso uma pós-graduação em Análise do Comportamento Aplicada (ABA) e mestrado também em ABA. Realizei curso para aplicador de ABA em TEA e Deficiência Intelectual (DI), me formando no final de fevereiro de 2019. Já concluí o curso introdutório do Modelo Denver de intervenção precoce para autismo também.

P: Fica evidente sua paixão pelo trabalho sob a ótica da análise do Comportamento aplicada (ABA). Explique um pouco sobre ABA e o motivo do seu interesse nessa área.

R: Meu interesse pela Análise do comportamento surgiu na graduação, ainda no segundo período quando cursei a matéria de psicologia comportamental I. Após isso, comecei a pesquisar  e encontrar na literatura científica vários estudos que comprovam a eficácia desta ciência em vários campos, por isso tenho buscado me aprofundar. ABA não é um método de trabalho, é um ciência com vasta literatura confirmando sua eficácia, por isso podemos conjugar uma terapia fundamentada em ABA em diversos eixos do desenvolvimento humano e abordagens de trabalho.

P: Você também está finalizando uma pós em neuropsicologia. O que essa pós agrega no trabalho da equipe FonoCom?

R: A Neuropsicologia é outra paixão da minha vida, pois ela, assim como ABA possibilita que tenhamos dados qualitativos e quantitativos do indivíduo. No caso da neuropsicologia, esses dados, são sobre o desenvolvimento cognitivo do indivíduo. Pensando no trabalho em equipe que é desenvolvido na FonoCom, estes dados são extremamente importantes, pois irão nortear todo o tratamento do sujeito, pois a avaliação neuropsicológica nos fornece dados do funcionamento da atenção, controle inibitório, memória, comportamento , flexibilidade cognitiva, linguagem, dentre outros. Com esses resultados, é possível criar um planejamento assertivo, porque nós dá uma noção das habilidades em potencial e as que necessitam de intervenção.

P: Como você entende a importância de se trabalhar com equipe multidisciplinar e como lida com as diferenças de visões e métodos de todos os profissionais envolvidos no caso?

R: Trabalhar em equipe dá muito  trabalho, RS. Porém é muito gratificante quando trabalhamos com pessoas que apesar de saberes e práticas diferentes, são capazes de ver a importância da prática do outro. O que mais me encanta e me faz acreditar no trabalho em equipe é ver que tem pessoas que enxergam o ser humano de forma global, independente das patologias que carregam. Assim nada se anula e sim agrega, pois não existe uma única verdade sobre um caso. Essa não limitação do sujeito a isso ou aquilo que me faz amar o trabalho numa equipe multidisciplinar, pois juntos podemos oferecer muito mais ao paciente.

P: Quais são as suas aspirações para o futuro enquanto terapeuta?

R: Posso resumir isso em uma única expressão, "formação continuada". Acredito que o sucesso de qualquer profissão é continuar a se especializar para fornecer um serviço de qualidade e estar feliz com o que faz.

foto larissa.jpeg